Tem início a 56ª Assembleia Geral da CNBB

Igreja
11·Abril·2018
Nesta quarta-feira, dia 11, teve início a 56ª Assembleia Geral da CNBB. O principal evento dos líderes da Igreja Católica no país reúne cardeais, arcebispos, bispos administradores de dioceses, arquidioceses e prelazias. O tema da 56ª Assembleia Geral dos Bispos é “Diretrizes para a Formação de Presbíteros”. O encontro está sendo realizado em Aparecida (SP) e segue até o dia 20 de abril.
 
Durante a missa de abertura, o presidente da CNBB, Dom Sérgio da Rocha, enfatizou que durante esses dias, mais do que decisões, é um período em que os bispos do Brasil se colocam em fraternidade e oração para discutir temas relevantes para a vida da igreja e sociedade.  
 
“Por isso estamos aqui rezando, por isso precisamos da oração de todos. Obrigado a todos os irmãos e irmãs que nos acompanham com a sua oração, principalmente nesse período de assembleia. Temos nesses dias, uma oportunidade especial para crescer ainda mais na comunhão entre nós e na comunhão com a Igreja, para enfrentar os desafios unidos a Cristo”.
 
À tarde, durante a primeira coletiva da assembleia, participaram dom Geraldo Lyrio, dom Jaime  Spengler e dom João Bosco. A exposição dos temas gerais foi iniciada por dom Geraldo Lyrio. "No início dos trabalhos nós temos um momento de análise da conjuntura eclesial. Este ano vamos repetir sobre a presença da Igreja na cidade. É um desafio muito grande porque o fenômeno urbano não se esgota nos limites de uma cidade mas ele se estende e se amplia", destacou dom Geraldo Lyrio ressaltando ainda que serão eleitos os delegados da CNBB para o Sínodo da Amazônia, a ser realizado em outubro de 2019 e os representantes da XV Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos, sobre a juventude, marcado para outubro deste ano. Os outros dois temas previstos para a 56ª Assembleia serão: o ano eleitoral e o Ano do Laicato. "Nós nos voltamos de modo muito especial para o ano do laicato que estamos celebrando em todo Brasil. Os cristãos leigos e leigas têm um papel, uma vocação, uma missão de uma extraordinária importância na Igreja e no mundo", concluiu.  
 
Dom Jaime  Spengler falou sobre o tema central. Ele explicou que desde 2017 uma comissão foi criada para elaborar o texto a ser trabalhado na assembleia a partir da indicação do tema sugerido pelo Conselho Episcopal Pastoral (Consep). Duas versões foram realizadas, corrigidas pelos bispos e a terceira versão será apresentada neste primeiro dia.  "Nós temos diretrizes em vigor aprovados em 2010 e essas diretrizes nós vamos adaptar a essas novas exigências. As indicações que vêm da 'Ratios Formación' e também indicadas por papa Francisco...Tempos novos exigem práticas diferenciadas na formação e acompanhamento de cada candidato ao sacerdócio", destacou.
 
O Estado Laico também será tema da 56ª Assembleia Geral dos Bispos. Dom João Bosco destacou que é preciso esclarecer que Estado Laico não é Estado ateu ou que condena as religiões. "O Estado Laico é uma conquista que precisa ser mantida, porém há muitas confusões sobre esse tema e não são poucos os que imaginam o Estado Laico como um Estado contra as religiões ou Estado ateu. O Estado Laico é aquele onde todas as religiões convivem e têm o seu espaço e onde a liberdade religiosa realmente existe. E o Estado sendo Laico não se compromete com nenhuma delas especificamente e favorece a todas. Se nós temos um Estado Laico temos uma nação plurirreligiosa", finalizou