Dois pastores e uma vocação: servir

Diocese
18·Abril·2018

 

O mês de abril é marcado por duas importantes festividades na diocese de Barra do Piraí – Volta Redonda. No dia 07 o bispo emérito dom João Maria Messi completou 60 anos de ordenação presbiteral (padre), Jubileu de Diamante. Já no dia 20, quem comemora Jubileu de Ouro (50 anos) de ordenação presbiteral é dom Francisco Biasin. Para marcar a data, uma missa será realizada na igreja Nossa Senhora da Conceição, no bairro Conforto, em Volta Redonda, às 19h30, no dia 20/04. A missa será presidida pelo o arcebispo do Rio e presidente do Regional Leste 1 (Estado do Rio), Cardeal Orani João Tempesta e conta com a confirmação de mais de 40 bispos de diferentes estados do Brasil, além de padres, diáconos, religiosos (as), seminaristas, autoridades civis e fiéis das dioceses por onde os bispos passaram. São esperadas cerca de 2 mil pessoas.

 

Sobre os bispos

 

Dom Francisco Biasin

Dom Francisco Biasin nasceu em Arzercavalli/Pádua, na Itália, em 06/09/1943. É filho de Attilio Biasin e Vitória Biasin. Foi ordenado sacerdote em 20/04/68 em Pádua.

“Na minha época, na Itália, os meninos entravam no seminário muito cedo, e eu não fugi a essa regra... Lembro-me de que a minha decisão, renunciando a uma expressão do amor humano, o matrimonial, para um amor maior, foi aos 18 anos, num retiro antes do diaconato. Foi quando senti que Deus era generoso para comigo, e que a minha fidelidade dependia da dEle. Eu não podia garantir nada em minha vida, a não ser o amor de Deus”, recordou dom Francisco.

No início da sua missão como padre atuou como "Vigário Paroquial na cidade de Fossò, Itália (1968-1972). Foi assistente eclesiástico da Ação Católica - setor jovens - do decanato e professor de religião nas escolas do estado. Fez Curso de especialização em catequese com os Salesianos em Milão.

Veio para o Brasil em 1972, como missionário “fidei donum” (do latim, “O dom da fé”). A missão foi um chamado desde 1957, do então Papa Pio XII, pedindo que os bispos do mundo inteiro colocassem padres de suas próprias dioceses a serviço dos bispos na África, e consequentemente em outras partes do mundo.  

Exerceu as funções de vigário paroquial e em seguida de pároco na Paróquia de São Sebastião de Gramacho, no município de Duque de Caxias, pertencente nesta época à diocese de Petrópolis. Foi coordenador da região pastoral da Baixada fluminense e dos padres “Fidei donum” da diocese de Pádua no Brasil.

Desde a criação da diocese de Duque de Caxias (1981) até 1985 continuou nas mesmas funções, quando foi nomeado Pároco da Catedral. Na mesma época exerceu por dois mandatos consecutivos vice-presidência da Comissão Regional dos Presbíteros do Regional Leste 1 da CNBB.

Em Duque de Caxias, vivenciou momentos marcantes na busca pela dignidade da pessoa humana à frente do “Comitê de Solidariedade” do município para ajuda emergencial em ocasião das enchentes de 1988.

Transferido para a Diocese de Itaguaí, foi vigário paroquial de Mangaratiba – RJ (1990). Em 1991 foi escolhido como Diretor Espiritual e Professor de Pastoral e Teologia Espiritual no Seminário de Nova Iguaçu – RJ. No mesmo ano foi nomeado Vigário Geral e Coordenador de Pastoral de Itaguaí, função em que permaneceu até 08 de julho de 1998, data em que foi eleito Administrador Diocesano da Diocese após a renúncia do Bispo.

Foi coordenador, professor e animador do curso de iniciação à teologia para leigos na diocese (1998-2000); Pároco da Paróquia Santa Teresinha de Piranema em Itaguaí (1994-2001). Em março de 2001 assumiu como Pároco a Paróquia Nossa Senhora da Guia de Mangaratiba RJ, continuando a exercer a função de Coordenador de Pastoral da Diocese até julho de 2002. Em fevereiro de 2003, a pedido do bispo, retornou à Diocese de Pádua, Itália, onde, no dia 25 de março, foi nomeado Diretor do Centro Missionário diocesano, Coordenador da Dimensão Missionária da Diocese e Diretor das POM.

Foi nomeado bispo por dom Bernardino Marchió em 12/10/2003, já no Brasil. Seu lema é "Dar a vida pelos irmãos".

Sua primeira missão como bispo foi em Pesqueira (PE) entre 2003 e 2011. Foi nomeado para a Diocese de Barra do Piraí - Volta Redonda em 8 de junho de 2011 e tomou posse em 28 de agosto do mesmo ano. Atualmente é o presidente da Comissão Episcopal Pastoral para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso da CNBB e membro do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso. 

 

Dom João Maria Messi

Nasceu em Recanati, na localidade de Santa Cruz, na Itália, em 5 de outubro de 1934. Filho de Maria Caporaletti e de Orestes Messi, é o mais novo dos três irmãos.

Ingressou no seminário São Felipe em Montefano em 1946 e em 1949 passou a estudar no seminário dos Servos de Maria em Ronzano. O noviciado foi em Reggio Emília, onde frequentou o Liceu e fez sua primeira profissão religiosa, com votos de pobreza, castidade e obediência. Sua formação filosófica aconteceu junto ao Sdudium Geral dos freis dominicanos, em Bolonha.

“Posso dizer que minha vocação surgiu ainda criança, quando, na preparação para a Eucaristia, o meu pároco ministrava a catequese e dava muita importância ao Altar. Portanto, tornei-me coroinha aos seis anos e recebi a Eucaristia, como dom de Deus, aos sete. Foi assim que desabrochou o desejo de estar na Igreja, como coroinha”, lembrou dom João.

Sua primeira viagem ao Brasil, em novembro de 1953, teve o objetivo de continuar os estudos filosóficos e teológicos, na cidade de São Paulo. Na capital paulista, emitiu sua profissão Solene dos votos religiosos na Ordem dos Servos de Maria.

Voltou para Roma em setembro do mesmo ano e, em dezembro de 1957 foi ordenado diácono. Em 7 de abril de 1958 recebeu sua ordenação presbiteral, em Roma. A volta para sua terra natal foi em 6 de julho de 1958, data em que celebrou sua primeira Missa, na mesma igreja em que recebeu sua primeira Eucaristia.

Em 17 de agosto do mesmo ano retorna ao Brasil, onde assumiu a missão de professor do seminário dos Servos de Maria, em Turvo, Santa Catarina. Em 1961 assume a Cátedra de professor de Filosofia no seminário Servos de Maria, em São José dos Campos. De 1963 a 1968 foi pároco na paróquia Nossa Senhora das Dores dos Servos de Maria, no Rio de Janeiro. Voltou à Itália, depois de dez anos, lá permaneceu até 1969, quando volta ao Rio de Janeiro. Em 1971 recebe licenciatura em Filosofia e Ciências Humanas. Nos dois anos seguintes dedica-se ao trabalho missionário no Amazonas. Se tornou, em 1982, o primeiro professor de Espiritualidade para noviços no Seminário dos Servos de Maria, em Curitiba.

No dia 15 de junho de 1988, João Paulo segundo o nomeia bispo auxiliar da Arquidiocese de Aracaju, onde ingressou em 11 de setembro do mesmo ano. Foi nomeado arcebispo de Irecê, na Bahia, em 21 de março de 1995 e lá ficou até 1999.

Nesse ano foi nomeado bispo da diocese de Barra do Piraí/ Volta Redonda, onde teve seu ingresso oficializado no dia 27 de fevereiro de 2000 e onde permaneceu como bispo diocesano até 2011.  Mesmo depois de sua renúncia, quando dom Francisco Biasin assumiu, dom João, bispo emérito continua sendo uma presença marcante na diocese de Barra do Piraí - Volta Redonda, onde permanece realizando atividades e acompanhamento.