MÃE APARECIDA, MÃE DA MISSÃO

Reflexões
08·Outubro·2018

"Graças vos damos, Senhora, Virgem por Deus escolhida, para Mãe do Redentor, ó Senhora Aparecida". Muitos trazem na mente e no coração o doce e singelo entoar dessa canção ao peregrinar o maravilhoso e belo Santuário de Nossa Senhora da Conceição, a Casa da Mãe Aparecida. Ali, vindos de todos os cantos do Brasil e de outras terras, nos reconhecemos irmãos e irmãs na presença de Jesus e de nossa Virgem Mãe, tão bela e meiga, retratada na imagem de cor negra.

                Impressiona a fé dos romeiros e romeiras que caminham em direção à imagem da "Mãe de Deus e nossa". Contemplam e oram, no derramar de suas alegrias e angústias, frustrações e sofrimentos, esperanças e vitórias, com súplicas e louvores. Quantas histórias e inúmeros benefícios foram contados nas paredes e tetos daquela "Sala dos Milagres". Em cada espaço parece se escutar o hino de reconhecimento e louvor: "o Senhor fez em mim maravilhas, Santo é o seu nome". No Santuário da Mãe Aparecida, romeiros e romeiras veem "agradecer" as graças alcançadas e com, humildade e confiança, ousam pedir mais graças. O Coração da Mãe Maria tudo acolhe, envolve com amor e depois apresenta ao Filho Jesus! "Se quisermos ser felizes, nesta e na outra vida, sejamos sempre devotos, da Senhora Aparecida".

                A Mãe Aparecida se torna mestra dos discípulos missionários de Jesus Cristo, que precisam lançar as redes em águas mais profundas, enfrentando os grandes desafios de uma sociedade marcada pela miséria de muitos e a opulência egoísta de poucos, "da corrupção, que como câncer, está corroendo a vida dos povos" (papa Francisco) e da recessão econômica que gera a depressão social. Diante da "onda de indignação, de tristeza e de desamparo está se abatendo sobre quase todos nós" (Leonardo Boff), muitos recorrem ao colo da Mãe Aparecida na busca de amparo, consolo e fortaleza, no "esperançar" da oportunidade de profundas mudanças que toda crise também oferece.

                "De esperança em esperança, sempre com esperanças" (Dom Paulo Ars), ao sair da Casa da Mãe Aparecida, o povo de Deus retoma a sua missão com aquelas mesmas disposições da Virgem de Nazaré: diz "sim" à Palavra de Deus, se apressar para reconhecer em outros as maravilhas de Deus, servir com alegria; tudo meditar e guardar no coração, sair sempre em missão no seguimento de Jesus Cristo, sempre "com-formandos" à sua paixão, morte, ressurreição e ascensão.

                Com a Mãe do povo brasileiro, a Senhora Aparecida, aprendemos "ser a Igreja acidentada, ferida e enlameada por ter saído pelas estradas", na paz inquieta que socorre "tantos que vivem sem a força, a luz e a consolação da amizade de Jesus Cristo". Conclui-se o a Ano Jubilar Mariano, a celebração dos 300 anos do "encontro" da imagem quebrada, que foi depois restaurada pela fé que une um povo. Mas missão é sempre partir para as periferias existenciais no encontro e na companhia da Mãe Aparecida.


Padre Nilson José dos Santos

Veja a programação das comunidades aqui