Epifania do Senhor

Igreja
03·Janeiro·2019

A celebração da Epifania está estreitamente ligada ao Natal. Nasceu no Oriente e é anterior à Solenidade do Natal. No Oriente, o nome "Epifania" indicava a festa do Natal do Senhor, a sua "aparição" na carne. 

O tema central da Epifania no Ocidente é a manifestação do Senhor, que encheu o mundo com a sua glória. Cristo é o esplendor da glória do Pai, que ilumina todas as nações. A manifestação do Senhor na carne inaugura o reino com uma lógica universal, um reino para todos: cegos, coxos, leprosos e os pobres são os grandes privilegiados. Deus, em Cristo e por meio de Cristo, quer se manifestar a todos. 

Na narrativa do evangelho que ouviremos neste Dia do Senhor, fica claro que a estrela do Messias não era somente para Israel, mas para todos os povos, de todas as raças, até mesmo as mais distantes, representadas em cada um dos Reis. Mateus faz um paralelo das luzes e das trevas para as nações. Jesus é a luz das nações, que vem iluminar o mundo sem as armas que matam ou provocam destruição.

Com a alegria que é fruto do Tempo do Natal, nos reuniremos neste domingo, 6, para celebrar a manifestação do Cristo aos três sábios do Oriente. Naqueles viajantes do deserto se encontra representada a diversidade das raças e dos povos. Na gruta de Belém, o Menino Jesus estende seus braços para acolher a todos. Gesto que se repetirá em todo desenrolar do Ano Litúrgico, onde Cristo se manifesta através do seu Mistério Pascal. 

Assim, todo cristão, como os Magos, deve deixar-se guiar pela fé e por sua vez, dever ser uma seta da fé, indicando aos irmãos o "sinal do grande Rei". 


Pe. Alex Soares