Mais de 350 pessoas participam de estudo sobre a Campanha da Fraternidade 2019

Diocese
12·Fevereiro·2019

Neste sábado, dia 09, mais de 350 pessoas das quatro regiões pastorais da diocese participaram do Encontro de Sensibilização da Campanha da Fraternidade 2019 com o tema "Fraternidade e Políticas Públicas" e o lema "Serás libertado pelo direito e pela justiça (Is 1,27)". O encontro foi realizado na Igreja Nossa Senhora da Conceição, no Conforto, em Volta Redonda. Dom Francisco iniciou o encontro dando boas-vindas aos participantes fazendo uma breve recordação das Campanhas da Fraternidade e explicando como surgiu a temática da CF de 2019.

"A Campanha da Fraternidade é a expressão quaresmal da conversão de toda a Igreja...inicialmente os temas da Campanha da Fraternidade eram mais internos à Igreja, mas aos poucos devido, sobretudo, a momentos impactantes à população, refiro-me ao período da ditadura militar, as Campanhas da Fraternidade começaram a ter muito mais de atenção aos problemas urgentes e emergentes no Brasil", relembrou o bispo explicando que o tema deste ano foi escolhido há três anos. "Tem gente que pensa que esse tema surgiu depois das últimas eleições. É bom que se saiba que os temas da CF são escolhidos três anos antes para poder preparar os subsídios, cantos, reflexões e para assim perpassar as várias instâncias da Igreja", esclareceu.


Para conduzir o estudo, foi convidado o Frei Olávio Dotto, assessor nacional da Comissão das Pastorais Sociais da CNBB. Em mais de três horas de explanação, o frei percorreu temas como os objetivos da Campanha da Fraternidade, a história das campanhas e a importância delas no desenvolvimento social no Brasil, mostrando o cenário atual das pastorais e movimentos da Igreja. Sobre o tema específico, Frei Dotto apresentou o conceito de Políticas Públicas, o processo de implementação delas, a responsabilidade orçamentária na escolha da aplicação das verbas, participação popular e outras vertentes do tema.

"É um tema muito provocador para nós cristãos católicos. É um desafio nosso nos encantarmos pelo tema das políticas. A gente acha que é um tema difícil, que se trata de política de governo e não temos nada a ver com isso. Precisamos nos encantar e ao mesmo tempo nos nossos municípios ver com as nossas lideranças como elas se mobilizam para acompanharem a execução dos orçamentos: onde o dinheiro é aplicado, como é feito, as prioridades...mas sempre com aquele foco assim todo especial para onde existe mesmo os riscos sociais, onde está a vulnerabilidade social. E ao mesmo tempo cabe às paróquias mobilizar, incentivar para que os nossos cristãos possam participar dos espaços dos conselhos paritários onde discutem as políticas públicas", disse o frei resumindo a participação popular em três grandes ações. "É a gente participar, fiscalizar e ao mesmo tempo se organizar para propor as políticas públicas. Reforçar a consciência política e participar do debate político e com isso não estou dizendo política partidária, mas a política que estabelece o bem comum", explicou.

Para quem já faz parte dessa realidade de participação popular, ter esse tema como Campanha da Fraternidade "dá força e motiva outros irmãos", como disse Luzia Quintino presidente do Conselho Municipal de Saúde de Volta Redonda.

"A importância dos leigos estarem inseridos no controle social é a nossa visão diferenciada quanto ao evangelho, preocupação com o coletivo, cuidado e humanização. Por isso é muito importante estarmos inseridos nas questões voltadas para as políticas públicas. Não podemos só ficar dentro da Igreja. Temos que levar a Igreja para fora, participando ativamente da parte política, porque é isso que o evangelho nos pede. Que a gente faça justiça e ajude as outras pessoas", concluiu.

 

 

Leia mais sobre a Campanha da Fraternidade 2019 nesse texto de padre Gildo Nogueira

 

Para baixar a apresentação do Frei Olávio Dotto clique aqui