Igreja participa de início das obras de sistema de água e esgoto na Ocupação dom Waldyr Calheiros

Diocese
09·Outubro·2019


Como forma de prestigiar e também acompanhar a atenção do poder público municipal de Volta Redonda à Ocupação dom Waldyr Calheiros, no bairro Belmonte, o bispo diocesano, dom Luiz Henrique, participou do lançamento das obras de sistema de água e esgoto na localidade. A Igreja Católica também esteve representada pelo vigário geral, padre Silvio Rafael Juliano, e pela assistente social da cúria, Clemilde Dalbone.

"Temos uma pastoral social muito atuante que conhece bem a realidade. Com certeza como pastor dessa Igreja estou junto à essa pastoral, sempre ouvindo, atuando e acolhendo as sugestões para que os trabalhos realizados pelos bispos anteriores sejam continuados no apoio à população que vive aqui", disse o bispo diocesano, dom Luiz Henrique que visitou o local pela primeira vez.

Flávia Siqueira Lemos Leandro, uma das líderes da ocupação, destacou que a espera pelo serviço demorou três anos até ser resolvida e que o momento é de comemoração. "Há três anos a gente está no esgoto, fossa e recebendo água de caminhão pipa...agradeço a todos que estão nessa caminhada para ajudar a gente aqui na ocupação", disse.

De acordo com o prefeito Samuca Silva, que fez oficialmente a abertura dos trabalhos, essa é apenas uma etapa de um projeto que está sendo proposto pela prefeitura. "Nós estamos aprovando no IPPU (Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano) o projeto básico arquitetônico de toda a ocupação dom Waldyr, que não é mais uma ocupação, mas um loteamento", disse o prefeito revelando as próximas etapas. "A pavimentação é importante, fornecimento de energia elétrica, a atualização do cadastramento dessas famílias na prefeitura para que a gente possa dar o direito efetivo legal às famílias que estão aqui cadastradas", disse. 


Entenda a história da ocupação

Atualmente, 54 famílias moram no local, que foi ocupado em abril de 2016. De acordo com a líder Flávia Siqueira Lemos Leandro a área estava abandonada há mais de 10 anos. No local começaram a ser construídas residências destinadas à terceira idade num projeto financiado pelo governo do estado, mas não foi finalizado. Então, surgiu o movimento "Minha Casa, Nossa Luta" com famílias que não tinham onde morar e ocuparam a área abandonada. "Nós começamos a procurar ajuda e encontramos esse local. Demos o nome de dom Waldyr Calheiros por causa da história de luta dele pelos pobres", disse a dona de casa.

Neste período as famílias receberam ajuda de algumas instituições, inclusive da Igreja Católica, para que as moradias fossem regularizadas. Para isso, foi preciso realizar a rescisão do contrato que era de responsabilidade do Governo do Estado para que a área pudesse ser gerida pelo governo municipal. Desta forma, atualmente é de responsabilidade da prefeitura garantir equipamentos básicos de moradia para essas famílias. As obras no valor de R$ 209 mil estão previstas para terminar no início de janeiro de 2020.