ORIENTAÇÕES PASTORAIS EM VISTA DAS ELEIÇÕES MUNICIPAIS DE 2020

Diocese
01·Novembro·2020

 

 

Volta Redonda, 22 de setembro de 2020.


                                        




 


Dada a proximidade das eleições municipais e consciente da importância desse processo para a vida concreta e direta do povo que me foi confiado, desejo, por meio das orientações que seguem abaixo, oferecer aos membros de nossas comunidades pistas que lhes ajudem a viver, com liberdade e à luz da fé, o pleito que se aproxima. Pois "ninguém pode exigir-nos que releguemos a religião para a intimidade secreta das pessoas, sem qualquer influência na vida social e nacional, sem nos preocupar com a saúde das instituições da sociedade civil, sem nos pronunciar sobre os acontecimentos que interessam aos cidadãos" (Evangelii Gaudium 183).


 


O que agora faço é parte da minha missão de pastor, afinal devo salvaguardar a vida e a dignidade daqueles que me foram confiados. E essa salvaguarda passa, necessariamente, pelo exercício ético, justo e fraterno das funções públicas e eletivas, próprias dos cristãos leigos e leigas como nos ensina a mãe Igreja.



Desse modo, seguem algumas orientações que colhi da Doutrina Social da Igreja, da prática pastoral e do diálogo estabelecido com os membros do Conselho Presbiteral da nossa Diocese.


1.    Como já acenado, é próprio dos cristãos leigos e leigas a participação nos pleitos eleitorais na condição de candidatos. Essa afirmação, de imediato, exclui qualquer participação de ministros ordenados (diáconos, padres e bispos) no processo eleitoral, restando a esses a tarefa de orientar e colaborar no discernimento dos fiéis, sem contudo, apontar candidatos específicos ou manifestar nos espaços sagrados (missas e celebrações), nos ambientes de atividade pastoral (reuniões e encontros) e nas plataformas digitais ligadas à Igreja (Facebook, Whatsapp e outros) qualquer preferência pessoal ou partidária;


2.    Aos fiéis leigos e leigas, recomendamos vivamente que assumam, com coragem e empenho, a missão de contribuir com o desenvolvimento da humanidade por meio do exercício consciente e reto da política. Cabe a esses, indispensáveis colaboradores da missão, a tarefa de levar os valores do Evangelho aos meios públicos e políticos. Os cristãos leigos e leigas são a presença da Igreja nos múltiplos espaços da sociedade;


3.    Contudo, para que não haja imprecisões e não surjam divisões no seio da comunidade, aqueles que exercem funções de coordenação e que venham a se candidatar aos cargos eletivos em disputa, devem se afastar, enquanto durar o período eleitoral, de suas atribuições na comunidade eclesial;


4.    No entanto, candidatos que, antes do período eleitoral, exerciam ministérios litúrgicos nas comunidades, não precisam deixar de exercê-los, desde que não usem desse ministério, direta ou indiretamente, para promover a sua própria candidatura. O que significa dizer que não podem portar, no exercício de suas funções litúrgicas, quaisquer materiais de propaganda eleitoral;


5.    É sempre oportuno recordar que a Igreja não possui e não subsidia nenhuma candidatura. De tal maneira que se algum candidato se apresentar como enviado da Igreja ou fizer uso de suas funções na comunidade para promover-se, estará, na verdade, agindo de má fé, pois isso não lhe é permitido;


6.    Todavia, é necessário que criemos espaços e oportunidades de reflexão e discernimento que ajudem na escolha que nossos fiéis precisarão fazer. No entanto, esse caminho de discernimento deve ser trilhado à luz da Palavra de Deus e do Magistério da Igreja, nunca a partir de uma opção partidária exclusiva ou de cartilhas ideológicas;


7.    Por fim, como homens e mulheres de fé, vivamos este momento com esperança e envolvidos pela oração, já que desde sempre a Igreja rezou, e continua rezando, a vida concreta do seu povo e por seus governantes.


 


Certo de que poderei contar com a colaboração e empenho de todos os nossos diocesanos neste momento de particular importância para as nossas cidades, despeço-me com minha bênção de pastor.  


 




Dom Luiz Henrique da Silva Brito


Bispo Diocesano de Barra do Piraí/Volta Redonda